Tá com o nome sujo? Inclusão de nome no SPC e Serasa poderá ser proibida

Será votado pelo Senado um Projeto de Lei que poderá proibir a inclusão de nome sujo nos cadastros do SPC e Serasa durante três meses e com isso evitar o aumento de negativados durante a crise causada pela pandemia do coronavírus.

Se aprovada, a lei irá auxiliar os mais atingidos com essa crise a ter crédito na praça.O texto aprovado substitui o texto anterior do deputado Julian Lemos (PSL-PB) ao Projeto de Lei 675/20, dos deputados Denis Bezerra (PSB-CE) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG).

Mas, vale ressaltar que esta nova lei servirá para proteger apenas os consumidores que tiveram a inadimplência registrada após o dia 20 de março de 2020. Além disso, a lei irá autorizar a Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça a prorrogar da suspensão de novas inscrições no SPC e Serasa.

Diante deste cenário, se for aprovado o Projeto de Lei, o Poder Executivo deverá regulamentar e fiscalizar o mercado, para que o inadimplente não precise cumprir as sanções previstas no Código de Defesa do Consumidor em caso de negativação. E, se houver descumprimento da norma, o dinheiro de multas que a empresa tenha que pagar será aplicado em medidas de combate ao coronavírus.

Sabe onde consultar o seu CPF?

É simples! Para consultar o seu CPF, é necessário ter cadastro nos sites de crédito e consultar gratuitamente. Confira abaixo:

serasa.com.br/score
consumidorpositivo.com.br
cadastropositivo.spcbrasil.org.br
consumidor.quod.com.br

E acessando o site, o consumidor poderá acompanhar o seu score de crédito e possíveis dívidas em seu nome. Se alguma dívida não aparecer, ela poderá ter sido enquadrada nesta nova lei. Assim, a empresa não vai passar seu nome para cadastro no SPC e Serasa durante esses três meses. Mas para além deste prazo, é importante você renegociar o débito junto à empresa em que você ficou devendo, para não ficar com o CPF sujo.

Inadimplência em maio

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR), a taxa de inadimplência de pessoa física deve fechar maio em 5,39%.

O índice implica em um aumento de 0,23 p.p. em relação ao valor real de março de 2020 e de 0,07 p.p. em relação ao valor estimado para abril de 2020. Analistas de mercado acreditam que a crise do coronavírus tem grande impacto no aumento deste indicador.

Para junho é razoável esperar uma taxa de inadimplência entre a média prevista para o intervalo de 5,14% e o limite superior de 5,77%.

Leia também:


Gostou da nossa matéria? Para ficar sempre atualizado, siga nossas Redes Sociais: Facebook, TwitterInstagram.

Para relatar erros, clique aqui. Conteúdo publicado originalmente por bonsinvestimentos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.