Pandemia do coronavírus leva empresas a falência

Com a chegada da pandemia do coronavírus muitas empresas se viram obrigadas a entrar com pedidos de falências. Entre as empresas, Hertz, Cirque du Soleil e a Latam Brasil.

Uma pesquisa da Boa Vista mostrou que no primeiro semestre de 2020 no Brasil os pedidos de falência cresceram 34,2% em relação ao mesmo período do ano passado. Enquanto isso, os pedidos de recuperação judicial cresceram 32,8%, e as recuperações judiciais deferidas 45,3%.

Confira as empresas que perderam para o coronavírus

Hertz

O grupo de aluguel de carros norte-americano Hertz decretou falência nos Estados Unidos e no Canadá em maio. A empresa sentiu de fato a crise após a pandemia bloquear as viagens pelo mundo.

De acordo com o pedido de falência, o impacto do Covid-19 na demanda de viagens foi repentino e dramático, causando uma queda acentuada na receita da empresa e em reservas futuras.

Vale destacar que a empresa já havia de fato acumulado US$ 17 bilhões em dívidas antes da pandemia.

Pizza Hut e Wendy’s

A norte-americana NPC International, que controlava os restaurantes das marcas Pizza Hut e Wendy’s, também foi vencida pela crise do coronavírus.

A empresa já assinou um acordo parcial com os credores e isso deve evitar o fechamento dos restaurantes com as famosas marcas, mas será necessária a aquisição dos locais por parte de outras operadoras.

Zara

No começo de junho devido a pandemia do coronavirus, a Zara anunciou fechamento de 1.200 lojas entre a Europa e a Ásia.

O grupo apurou uma perda de 409 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020 e as vendas despencaram 44% em comparação com o ano anterior.

H&M

Já o grupo varejista de roupa sueco H&M fechou mais de 3.500 unidades das 5.062 lojas que possuía. E no período de 1 de dezembro de 2019 a 30 de maio de 2020 (1° trimestre do ano fiscal de 2020) apurou uma redução de 23% nas vendas globais.

No segundo trimestre, o cenário foi ainda pior, o colapso das vendas foi de 50%.

Entretanto, o grupo encerrou o semestre de referência com um lucro operacional de 6,940 bilhões de coroas suecas.

Cirque du Soleil

O Cirque du Soleil também anunciou o começo do processo de falência controlado com base nas normas canadenses.

Além disso, o Cirque du Soleil assinou um acordo com seus atuais acionistas que comprarão quase todos os ativos em uma reorganização que incluirá uma parcela de caixa, dívida e novo capital, além de dois fundos de US$ 20 milhões para apoiar fornecedores e trabalhadores independentes.

Latam

A companhia aérea Latam anunciou um pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos em um primeiro momento para suas subsidiárias do Chile, Colômbia, Peru e Equador, e posteriormente também para o Brasil.

A Latam Brasil anunciou uma dívida de R$ 7 bilhões, grande parte com bancos e empresas de leasing de aviões.

O endividamento global do grupo é de US$ 10 bilhões (aproximadamente R$ 53 bilhões), mas que poderia chegar a US$ 17,9 bilhões por causa das provisões futuras.

Brooks Brothers

A Brooks Brothers que tem mais de 200 anos e já sobreviveu a 2 guerras mundiais, também entrou com pedido de falência por conta da pandemia do Coronavírus.

A Companhia possui 250 lojas na América do Norte e mais de 500 lojas em todo o mundo. A empresa que ja havia decidido fechar 51 lojas devido a pandemia, afirmou que fechará as atividades de três fábricas até o dia 15 de agosto.

Leia também:


Gostou da nossa matéria? Para ficar sempre atualizado, siga nossas Redes Sociais: Facebook, TwitterInstagram.

Para relatar erros, clique aqui. Conteúdo publicado originalmente por bonsinvestimentos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.