Ficou na dúvida se deve ou não sacar o FGTS emergencial? Especialistas te ajudam

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) emergencial já foi liberado e já está disponível para alguns trabalhadores brasileiros.

O valor é liberado pelo Governo de acordo com o mês de nascimento do beneficiário e tem o objetivo de ajudar durante este momento de crise causado pela pandemia do coronavirus.

Mas, muitos brasileiros ainda têm dúvidas se devem ou não sacar o benefício, pois aqueles que não sacarem, terão o dinheiro devolvido para o fundo.

O que fazer?

Analistas do mercado acreditam que o FGTS é um dos investimentos mais rentáveis do momento. Sendo assim, recomendam que se o trabalhador não precisa retirá-lo, é mais vantajoso deixar o dinheiro na conta do fundo.

De acordo com eles, o FGTS possui um rendimento de 3% ao ano e diante deste cenário, acreditam que é uma boa opção não mexer nesse dinheiro.

Mas alertam, se o trabalhador estiver com dificuldades financeiras, ele deve sim, sacar o dinheiro. Contudo, o ideal é que ele seja usado de forma correta e consciente.

Uma das formas mais corretas para usar o FGTS é para quitar dívidas, pois empresas estão oferecendo descontos.

Reservas

Segundo os especialistas, outra forma para utilizar esse dinheiro é fazendo uma reserva de emergência.

O trabalhador pode guardar o dinheiro em uma poupança, por exemplo e utilizar quando for necessário, pois se o dinheiro voltar para a conta do FGTS, não há como mexer.

O trabalhador só irá poder utilizar o saldo em caso de compra de imóveis, demissão sem justa causa, enfermidades graves, entre outros.

Calendário

Leia também:


Gostou da nossa matéria? Para ficar sempre atualizado, siga nossas Redes Sociais: Facebook, TwitterInstagram.

Para relatar erros, clique aqui. Conteúdo publicado originalmente por bonsinvestimentos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.